sexta-feira, 3 de julho de 2015

Projeto da Iniciação da Vida Cristã será apresentado às lideranças do Vicariato de Canoas


O fortalecimento da caminhada da Igreja passa pela Iniciação à Vida Cristã. Pensar essa caminhada requer envolvimento de todas as lideranças. Neste sentido, o Vicariato de Canoas quer animar a todos - clero, religiosos/as e as lideranças leigas – na caminhada pastoral a ser realizada em todo o conjunto da Arquidiocese de Porto Alegre.

Por isso, o pré-projeto de Iniciação à Vida Cristã será apresentado às lideranças locais durante a reunião das pastorais do Vicariato. O encontro será realizado no sábado, dia 11 de julho, a partir das 8h30min, no salão paroquial da Paróquia São Luís Gonzaga.

O encontro será assessorado pelo Bispo Auxiliar de Porto Alegre, Dom Leomar Brustolin. Uma convocação foi enviada por e-mail às paróquias. Esta será a primeira reunião das lideranças do Vicariato de Canoas com novo vigário episcopal, Pe. Darley Kummer.


Em 1 de julho de 2015, às 9h 18min

sexta-feira, 26 de junho de 2015

Transferências e nomeações na Arquidiocese

A Arquidiocese de Porto Alegre anuncia algumas transferências e nomeações no seio do seu Clero.

Párocos

Paróquia São João Batista (Camaquã): Pe. Luis Inácio Flach
Paróquia N.Sª. da Saúde (Porto Alegre): Pe. Alexandre Luiz Griebler
Paróquia N.Sª. da Conceição (Canoas): Pe. Lizandro Goularte
Paróquia São José Operário (Alvorada): Pe. Flávio Francisco Lunkes
Paróquia Santa Teresinha (Capão da Porteira – Viamão): Pe. José Inácio Santana Messa
Paróquia N.Sª. de Mont’Serrat (Porto Alegre): Pe. Ademar Agostinho Sauthier

Administradores Paroquiais

Paróquia Santo Amaro (Gen. Câmara): Pe. Adilson Correia, auxiliado pelo Diác. Ivanor Nilo Altmeyer
Paróquia Divina Misericórdia (Porto Alegre): Pe. Carlos Sebastiany

Vigários

Paróquia N.Sª. da Saúde (Porto Alegre): Pe. Gilberto Cunha
Paróquia N.Sª. Mãe de Deus (Catedral - Porto Alegre): Pe. Wagner Cardoso Bianchini
Paróquia Santa Bárbara (Arroio dos Ratos): Pe. Fabiano Lucaora Pauli
Paróquia Imaculado Coração de Maria (Esteio): Pe. Luis Osório Figueiredo Paróquia Divina Misericórdia (Porto Alegre): Pe. Jorge Menezes
Paróquia Santa Rosa de Lima (Porto Alegre): Pe. Jorge Menezes

Capelão

Irmandade do Espírito Santo (Porto Alegre): Pe. Artur Celestino Calsing

Coordenador

Setor Comunicação: Dom Leomar Brustolin e Pe. Carlos Gustavo Haas

 Porto Alegre, 26 de junho de 2015

domingo, 21 de junho de 2015

21 de junho - dia de são Luís Gonzaga



Considerado o "Patrono da Juventude", São Luís Gonzaga nasceu no ano de 1568 na Corte de Castiglione. Recebeu por parte de sua mãe a formação cristã. Já seu pai o motivava a ser príncipe. Sua família tinha muitas posses mas, graças ao amor de Deus, Luís - desde cedo - deixou-se possuir por esse amor. 

Com dez anos de idade, na corte, frequentando aqueles meios, dava ali testemunho do Evangelho e se consagrou a Nossa Senhora. Ali descobriu seu chamado à vida religiosa e queria ser padre. Seu pai, ao saber disso, o levava para festas mundanas, na tentativa de fazê-lo desistir de sua vocação. 

Entrou para a Companhia de Jesus onde viveu durante seis anos. 

Com pouco mais de vinte anos, faleceu de uma peste que havia se espalhado em Roma.

sábado, 20 de junho de 2015

Papa Francisco compartilha seu olhar espiritual sobre a criação através da “Laudato Si”


VATICANO, 18 Jun. 15 / 05:58 pm (ACI)

Na manhã de hoje foi divulgado oficialmente o texto na íntegra da nova encíclica do Papa Francisco, intitulada “Laudato Si” (Louvado Seja). Através deste documento ele compartilha profundas reflexões espirituais sobre a criação e o ser humano.

No início das suas reflexões o Santo Padre recordou primeiramente São Francisco de Assis, tomou uma frase dele como título da encíclica e ressaltou: “Acho que Francisco é o exemplo por excelência do cuidado pelo que é frágil e por uma ecologia integral, vivida com alegria e autenticidade”.

“O seu testemunho mostra-nos também que uma ecologia integral requer abertura para categorias que transcendem a linguagem das ciências exatas ou da biologia e nos põem em contato com a essência do ser humano. Tal como acontece a uma pessoa quando se enamora por outra, a reação de Francisco, sempre que olhava o sol, a lua ou os minúsculos animais, era cantar, envolvendo no seu louvor todas as outras criaturas”, declarou o Pontífice em sua encíclica.

O Papa escreve logo que “se nos sentirmos intimamente unidos a tudo o que existe, então brotarão de modo espontâneo a sobriedade e a solicitude. A pobreza e a austeridade de São Francisco não eram simplesmente um ascetismo exterior, mas algo de mais radical: uma renúncia a fazer da realidade um mero objeto de uso e domínio”.

Por outro lado, segundo o Santo Padre, “São Francisco, fiel à Sagrada Escritura, propõe-nos reconhecer a natureza como um livro esplêndido onde Deus nos fala e transmite algo da sua beleza e bondade: ‘Na grandeza e na beleza das criaturas, contempla-se, por analogia, o seu Criador’“.

O Santo Padre comentou: “Se tivermos presente a complexidade da crise ecológica e as suas múltiplas causas, deveremos reconhecer que as soluções não podem vir de uma única maneira de interpretar e transformar a realidade. É necessário recorrer também às diversas riquezas culturais dos povos, à arte e à poesia, à vida interior e à espiritualidade. Se quisermos, de verdade, construir uma ecologia que nos permita reparar tudo o que temos destruído, então nenhum ramo das ciências e nenhuma forma de sabedoria pode ser transcurada, nem sequer a sabedoria religiosa com a sua linguagem própria”.

O Papa afirma: “Segundo a Bíblia, as relações com Deus, com o próximo e com a terra romperam-se não só exteriormente, mas também dentro de nós. Esta ruptura é o pecado. A harmonia entre o Criador, a humanidade e toda a criação foi destruída por termos pretendido ocupar o lugar de Deus, recusando reconhecer-nos como criaturas limitadas. Este fato distorceu também a natureza do mandato de ‘dominar’ a terra (cf. Gen. 1, 28) e de a ‘cultivar e guardar’ (cf. Gen. 2, 15). Como resultado, a relação originariamente harmoniosa entre o ser humano e a natureza transformou-se num conflito”.

“’Pela palavra de Yahvé foram feitos os céus’ (Sal 33,6). Assim nos indica que o mundo procedeu de uma decisão, não do caos ou a casualidade, o qual o enaltece ainda mais”.

O lugar do ser humano na criação


O Papa Francisco considera deste modo que o ser humano, embora suponha também processos evolutivos, “implica uma novidade que não se explica cabalmente pela evolução de outros sistemas abertos. Cada um de nós tem em si uma identidade pessoal, capaz de entrar em diálogo com os outros e com o próprio Deus”.

“A capacidade de reflexão, o raciocínio, a criatividade, a interpretação, a elaboração artística e outras capacidades originais manifestam uma singularidade que transcende o âmbito físico e biológico. A novidade qualitativa, implicada no aparecimento de um ser pessoal dentro do universo material, pressupõe uma ação direta de Deus, uma chamada peculiar à vida e à relação de um Tu com outro tu. A partir dos textos bíblicos, consideramos o ser humano como sujeito, que nunca pode ser reduzido à categoria de objeto”.

“O fato de insistir na afirmação de que o ser humano é imagem de Deus não deveria fazer-nos esquecer que cada criatura tem uma função e nenhuma é supérflua. Todo o universo material é uma linguagem do amor de Deus, do seu carinho sem medida por nós. O solo, a água, as montanhas: tudo é carícia de Deus”, afirma.

Querer a criação, explica o Pontífice, “não significa igualar todos os seres vivos e tirar ao ser humano aquele seu valor peculiar que, simultaneamente, implica uma tremenda responsabilidade. Também não requer uma divinização da terra, que nos privaria da nossa vocação de colaborar com ela e proteger a sua fragilidade”.

Para o Santo Padre “é evidente a incoerência de quem luta contra o tráfico de animais em risco de extinção, mas fica completamente indiferente perante o tráfico de pessoas, desinteressa-se dos pobres ou procura destruir outro ser humano de que não gosta. Isto compromete o sentido da luta pelo meio ambiente”.

O Papa sublinha que “é necessário ter apreço pelo próprio corpo na sua feminilidade ou masculinidade, para se poder reconhecer a si mesmo no encontro com o outro que é diferente. Assim, é possível aceitar com alegria o dom específico do outro ou da outra, obra de Deus criador, e enriquecer-se mutuamente. Portanto, não é salutar um comportamento que pretenda ‘cancelar a diferença sexual, porque já não sabe confrontar-se com ela’”.

“Recordemos o modelo de São Francisco de Assis, para propor uma sã relação com a criação como dimensão da conversão integral da pessoa. Isto exige também reconhecer os próprios erros, pecados, vícios ou negligências, e arrepender-se de coração, mudar a partir de dentro”.

O Pontífice exorta também os fiéis a “agradecer a Deus antes e depois das refeições. Proponho aos crentes que retomem este hábito importante e o vivam profundamente. Este momento da bênção da mesa, embora muito breve, recorda-nos que a nossa vida depende de Deus, fortalece o nosso sentido de gratidão pelos dons da criação, dá graças por aqueles que com o seu trabalho fornecem estes bens, e reforça a solidariedade com os mais necessitados”.

Os Sacramentos e Maria


Sobre este tema o Pontífice afirma: “Os sacramentos constituem um modo privilegiado em que a natureza é assumida por Deus e transformada em mediação da vida sobrenatural. Através do culto, somos convidados a abraçar o mundo num plano diferente. A água, o azeite, o fogo e as cores são assumidas com toda a sua força simbólica e incorporam-se no louvor”.

“A mão que abençoa é instrumento do amor de Deus e reflexo da proximidade de Cristo, que veio para Se fazer nosso companheiro no caminho da vida. A água derramada sobre o corpo da criança batizada, é sinal de vida nova. Não fugimos do mundo, nem negamos a natureza, quando queremos encontrar-nos com Deus”, disse o Papa Francisco.

“A criação encontra a sua maior elevação na Eucaristia. A graça, que tende a manifestar-se de modo sensível, atinge uma expressão maravilhosa quando o próprio Deus, feito homem, chega ao ponto de fazer-Se comer pela sua criatura”, expressou o Santo Padre.

Desta maneira sublinhou: “A participação na Eucaristia é especialmente importante ao domingo. Este dia, à semelhança do sábado judaico, é-nos oferecido como dia de cura das relações do ser humano com Deus, consigo mesmo, com os outros e com o mundo”.

Em seguida, o Pontífice afirma: “Maria, a mãe que cuidou de Jesus, agora cuida com carinho e preocupação materna deste mundo ferido. Assim como chorou com o coração trespassado a morte de Jesus, assim também agora Se compadece do sofrimento dos pobres crucificados e das criaturas deste mundo exterminadas pelo poder humano”.

“Caminhemos cantando; que as nossas lutas e a nossa preocupação por este planeta não nos tirem a alegria da esperança”, encoraja o Papa.

“Deus, que nos chama a uma generosa entrega e a oferecer-Lhe tudo, também nos dá as forças e a luz de que necessitamos para prosseguir”, conclui Francisco no final da sua encíclica.

fonte: http://www.acidigital.com/